Certa manhã, no trem lotado em Londres, um dos passageiros empurrou e insultou outro viajante que ficou em seu caminho. Foi o tipo de situação infeliz e sem sentido que normalmente fica sem solução. Mas, naquele mesmo dia, aconteceu o inesperado. Um gerente de negócios enviou uma mensagem aos seus amigos das redes sociais: “Adivinhem quem acabou de aparecer para uma entrevista de emprego?” Quando a sua explicação apareceu na internet, as pessoas  ao redor do mundo riram com vontade. Imagine ir a uma entrevista de emprego apenas para descobrir que a pessoa que o recebe é a que você empurrou e xingou mais cedo naquele dia.

Saulo também se encontrou com alguém que não esperava. Enquanto ameaçava um grupo chamado “Caminho” (Atos 9: 1,2), ele foi parado na estrada por uma luz ofuscante. E uma voz lhe disse: “Saulo, Saulo, por que me persegues?” (v.4). Saulo perguntou: “Quem és tu, Senhor?” E Aquele que lhe falava, respondeu: “Eu sou Jesus, a quem tu persegues” (26:15).

Anos antes, Jesus tinha dito que a forma como tratamos os famintos, os sedentos, o estranho e o prisioneiro reflete o nosso relacionamento com Ele (MATEUS 25:35,36). Quem imaginaria que, quando alguém nos insulta, ou quando ajudamos ou prejudicamos alguém, Jesus sente e se identifica conosco?