Uso a escrita para adorar e servir a Deus, ainda mais agora que a saúde muitas vezes limita a minha mobilidade. Então, quando alguém desfez do que escrevi, fiquei desanimada e, duvidei do valor de minhas pequenas oferendas a Deus.

Com oração, estudo das Escrituras e encorajamento de familiares e amigos, o Senhor reafirmou que somente Ele — não os outros — podem determinar nossos motivos como adoradores e o valor de nossas dádivas a Ele. Pedi ao Doador de todos os dons para me ajudar a desenvolver habilidades e dar oportunidades para compartilhar os recursos que Ele me dá.

Jesus contradiz os nossos padrões de mérito (vv.41-44). Enquanto os ricos jogavam grandes quantias de dinheiro no gazofilácio do Templo, uma pobre viúva colocava “duas moedinhas de pouco valor” (v.42 NTLH). O Senhor declarou a oferta dela como maior do que a de outros (v.43), embora sua contribuição parecesse insignificante para os que a rodeavam (v.44).

A história da viúva menciona ofertas financeiras, mas cada ato de doação pode expressar adoração e obediência. Como a viúva, honramos a Deus com dons intencionais, generosos e sacrificiais que são parte do todo que Ele já nos deu. Quando apresentamos a Deus o melhor de nosso tempo, talentos ou tesouros com corações motivados pelo amor, o exaltamos com ofertas de adoração inestimável.